O Que Acontece em Família – Caso Henry Borel

Caso Nardoni voltou à tona com a morte do menino Henry Borel, até que ponto pode chegar a insanidade de alguém que parece normal. A situação fica mais difícil de compreender quando é um médico e político conhecido Dr. Jairinho. E o que torna o caso muito mais grave e triste é ter a mãe como parceira do crime por displicência, Monique Medeiros. Como pode uma mãe agir assim? Um médico agir assim? Pensando nisso, conversamos com o PhD, neurocientista e neuropsicólogo Fabiano Abreu para que pudesse nos ajudar a explicar como e porquê se cometem atitudes como essas.

Um dos distúrbios mentais mais difíceis de ser detectado e diagnosticado é a psicopatia. De acordo com o especialista, o psicopata pode parecer normal e até mesmo ser encantador, mas falta consciência e empatia.

Vamos reforçar nem todos os psicopatas são delinquentes e nem todos os delinquentes são psicopatas, como explica o neurocientista Fabiano de Abreu “Todo psicopata tem vaidade patológica, mas nem todo narcisista é psicopata. A racionalidade é prejudicada, pela estrutura mental da perversão juntamente com narcisismo típico da psicopatia, acarretando em disfunção neuro-hormonais.

Este distúrbio é considerado muitas vezes como um objeto de fascínio popular e angústia clínica: a psicopatia adulta é amplamente impermeável ao tratamento, embora existam programas para tratar jovens sem emoção e insensíveis, na tentativa de dificultar que se tornem em psicopatas.

“Com planos requintados em detalhes são pensados e executados, com os quais enxerga a si mesmo e da imagem que projeta para os outros. Quando uma mãe é conivente, a dependência está vinculada ao poder de sedução, envolvimento e persuasão do parceiro psicopata”. Explica Abreu

Quando se fala em psicopatia, o imaginário coletivo sempre se volta para a delinquência e a maldade, mas esse transtorno da personalidade é algo mais complexo do que parece.

“O modo que o parceiro manipula negativamente a mãe, faz com que o hormônio do vínculo caia de produção – ocitocina – responsável pelo vínculo afetivo (mãe e filho), fique disfuncional. Existe a possibilidade dessa mãe ter sido dopada sistematicamente, impedindo sua ação em defesa do filho, muito o que ser investigado”. refere o neurocientista ” Sem dúvida a estrutura perversa do Dr Jairinho é um fato inquestionável, ainda há muitos fatos nebulosos.”, conclui.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *