Deficiência de Acido Fólico Pode Ser a Principal Causa da Mielomeningocele

Cirurgia intraútero pode ser realizada entre a 24ª e 26ª semana de gestação – Hidrocefalia está presente em até 80% dos casos

imagem – Crédito Hospital Infantil Sabará

Mielomeningocele, também conhecida como espinha bífida aberta, é uma malformação congênita da coluna vertebral da criança em que as meninges, a medula e as raízes nervosas estão expostas. É um defeito congênito e o principal fator que parece estar relacionado à gênese da lesão é a deficiência de ácido fólico, nutriente essencial para a proliferação e sobrevivência celular durante a formação do embrião. Em geral, os bebês podem apresentar problemas de movimento, urinários e fecais, além de hidrocefalia, presente entre 60% até 80% dos casos.

Tanto a deficiência de ácido fólico no organismo como o uso de medicações que interferem no metabolismo deste nutriente (aminopterina, carbamazepina, metotrexate, fenobarbital, fenitoína, primidona, trimetoprin, ácido valpróico, dentre outras) aumentam o risco de mielomeningocele.

Existem dois tipos de cirurgias que podem ser realizadas para mielomeningocele: a cirurgia intraútero, em geral entre a 24ª e 26ª semana de gestação, e o tratamento cirúrgico após o nascimento, preferencialmente até 48 horas após o parto.

O Dr. Ricardo Santos de Oliveira, médico neurocirurgião pediátrico, conta que realizar a cirurgia precocemente pode minimizar o risco de infecções associadas aos nervos expostos e pode ajudar a proteger a medula espinhal de algum trauma adicional. “Durante o procedimento, o neurocirurgião pediátrico reconstrói os tecidos. Há necessidade do fechamento minucioso da medula espinhal e das camadas mais superficiais como músculo e pele”, explica o especialista.

Desde 1992, o Centro de Controle de Doenças dos Estados Unidos (CDC) recomenda o uso de 0,4 mg diários de ácido fólico para todas as mulheres em idade reprodutiva pelo menos 3 meses antes de engravidar. Para as mulheres com risco aumentado, é recomendado o uso de 0,4 mg diários e aumento da dose para 4 mg ao planejarem a gestação.

Dr. Ricardo Santos de Oliveira

Graduado em Medicina pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (FMRPUSP). Doutor em Clínica Cirúrgica pela Un...

Veja o perfil completo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.