Descobri que Meu Filho é Daltônico, e Agora?

Dr. Hallim Feres Neto, oftalmologista, explica o que é a discromatopsia e dá dicas para descobrir e para melhor conviver com daltonismo em diferentes faixas etárias.

O termo “daltonismo” deve-se à primeira pessoa que reconheceu e escreveu sobre esse problema, o físico inglês John Dalton, em 1789 — ele mesmo tinha deficiência de cores e percebia o mundo apenas como diferentes tons de azul, roxo e amarelo. Usamos em português esse termo para falar de todos os tipos de deficiência de visão de cores — bem mais fácil do que o termo científico “discromatopsia”.


“Em todo o mundo, há aproximadamente 300 milhões de pessoas com daltonismo. Estima-se que afete aproximadamente 1 em cada 12 homens e 1 em cada 200 mulheres ao redor do mundo. O que leva a pensar que, em cada sala de aula, há uma criança com dificuldade de fazer as tarefas e não tem nem ideia da razão disso”, explica o oftalmologista membro do Conselho Brasileiro de Oftalmologia Dr. Hallim Feres Neto.


Dr. Hallim deixa dicas sobre o que observar em crianças de diferentes faixas etárias:


De 3 a 7 anos:

  • Confira se seu filho precisa de mais tempo para processar informações que usem cores, pois ele procurará por outras pistas (não coloridas);
  • Veja se ele usa cores inadequadas no desenho ou pintura — por exemplo, folhas roxas em árvores, grama marrom, cachorro vermelho;
  • Observe se ele reluta em brincar de combinar, contar ou classificar jogos com peças coloridas;
  • Nas atividades de colorir, perceba se a criança tem um baixo tempo de atenção, mais baixo que em outras atividades;
  • Em jogos, note se existe dificuldade para reconhecer quem é da equipe pois as camisas coloridas são muito parecidas.

De 7 a 12 anos:

  • Observe se a criança usa escolhas de cores inadequadas ao completar planilhas, desenhos e diagramas – por exemplo, rios roxos;
  • Confira se, às vezes, é difícil para interpretar informações em textos online ou páginas da web coloridas;
  • Note se, raramente, a criança usa cores ou usa cores incorretas;
  • Perceba se tem dificuldade em ver cones de treinamento coloridos e marcas de linha, por exemplo, no jogo de vôlei ou futebol de salão;
  • Ao comer banana, a criança não percebe, pela cor da fruta, que ela passou do ponto;
  • E confira se há problemas em ver todas as imagens e instruções em jogos de computador ou videogame.

Adolescentes:

  • Note se há dificuldade em seguir informações codificadas por cores apresentadas em gráficos e diagramas;
  • A criança acha difícil interpretar informações em quadros interativos ou projetadas em telas;
  • Tem dificuldade em interpretar mapas, gráficos de pizza de cores e resultados de experimentos científicos;
  • Tem dificuldade de perceber qual a cor do LED do celular que está piscando;
  • Tem notas inesperadamente baixas em matérias que domina quando usa ferramentas online para entregar trabalhos.

Dr. Hallim resume: “No geral, as crianças são muito boas em esconder as próprias deficiências – elas se adaptam e acham ‘normal’ enxergar assim. As primeiras suspeitas surgem ao ver um desenho com cores estranhas”.


A maioria dos pais de daltônicos não sabe dessa característica e, na maioria dos casos, a criança também não percebe. “Um diagnóstico positivo pode ser um choque para todos e os pais não devem se sentir culpados se descobrirem isso numa idade mais avançada”, afirma.


O médico confirmou que meu filho é daltônico. O que fazer?


É sabido que uma pessoa com deficiência na visão de cores tem uma vida normal e pode exercer algumas funções até melhor do que pessoas com visão de cor “normal”. Um exemplo foi o recrutamento de daltônicos na Segunda Guerra Mundial para sobrevoar o território e indicar onde o inimigo estava camuflado, porque, com treino, quem tem essa dificuldade aprende a diferenciar texturas, por exemplo, facilitando o reconhecimento da camuflagem.


“Quando recebo uma criança daltônica no consultório sempre deixo claro para a criança que isso que ela considera uma dificuldade, as outras crianças da classe vão achar superinteressante e vão querer saber como é enxergar diferente. Apesar de ser frustrante e cansativo algumas vezes, não é nada para ter vergonha”, conta o médico.


Mas, claro, elas precisam de ajuda em algumas situações. É válido seguir alguns passos:

  1. O conselho inicial de Dr. Hallim é: “Quando temos um parente daltônico e descobrimos uma criança em casa com o mesmo problema, é de grande valia e sempre o sugiro aos pais que procurem esse avô/tio/primo com a mesma condição e peça para conversar sobre isso, e também para que converse com a criança. A experiência e cumplicidade de alguém de confiança que enxerga a mesma coisa faz muito bem para as crianças”;
  2. É importante informar a escola e, de preferência, já explicando quais são as cores em que há dificuldade para que o quadro, material escolar e as atividades sejam adaptados;
  3. Identifique as canetinhas e lápis de cor da criança com os nomes das cores assim que ela souber ler;
  4. Melhore a iluminação do local onde a criança faz a lição de casa; numa boa luminosidade, fica mais fácil de perceber as diferenças;
  5. Quando a criança for mais velha e já puder escolher a roupa e se vestir sozinha, coloque na etiqueta as cores da roupa, assim ela saberá o que combinar;
  6. Encoraje a criança a, sempre que se sentir insegura com algo relacionado a isso, expor a dificuldade. Se ela não levanta a mão e pergunta na escola, apenas ela vai ficar sem aprender.

Existe cura?


Por ser uma alteração genética, ainda não existe cura para essa condição oftalmológica. Existem óculos que melhoram o contraste entre cores, facilitando diferenciá-las, mas não fazem um daltônico enxergar como uma pessoa que tem a visão de cores desenvolvida.
“O que temos de concreto até o momento é a importância de falar sobre o daltonismo para minimizar as dificuldades que uma criança possa ter, e assim ter condições de levar uma vida normal”, finaliza

Dr. Hallim Feres Neto @drhallimCRM-SP 117.127 | RQE 60732

  • Oftalmologia Geral
  • Cirurgia Refrativa
  • Ceratocone
  • Catarata
  • Pterígio
  • Membro do CBO – Conselho Brasileiro de Oftalmologia
  • Membro da ABCCR – Associação Brasileira de Catarata e Cirurgia Refrativa
  • Membro da ISRS – International Society of Refractive Surgery
  • Membro da AAO – American Academy of Ophthalmology

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.