Infertilidade Também é Coisa de Homem, mas Quase Sempre Tem Tratamento e Solução.

1 em cada 7 casais tem infertilidade conjugal, sendo 30% destes um fator exclusivamente masculino e 20% um fator masculino e feminino (as mulheres correspondem a 50%). Conversamos com o expert em Reprodução Humana, Dr. Rodrigo Rosa, que explicou quais as causas e o que pode ser feito

É relativamente comum associar a infertilidade às mulheres, afinal  50% das causas de infertilidade advém de um fator exclusivamente feminino. No entanto, os homens também sofrem com o problema: “De todos os casais que têm infertilidade conjugal, 30% são exclusivamente por fator masculino e mais 20% são um fator misto de infertilidade, quando há causas masculinas associadas a um fator feminino. Então, de forma geral, 50% dos casos de infertilidade também compreende a infertilidade masculina, ou de forma exclusiva, ou associada. Esse é um problema comum”, explica o Dr. Rodrigo Rosa, especialista em reprodução humana e diretor clínico da clínica Mater Prime, em São Paulo. O expert explica abaixo tudo sobre a infertilidade masculina:

As causas da infertilidade estão mais ligadas a fatores genéticos, de idade ou referentes ao estilo de vida de cada homem?

RODRIGO ROSA: As principais causas de infertilidade masculina estão ligadas a hábitos de vida: obesidade, tabagismo, abuso de álcool, alimentação inadequada, sono não reparador e sedentarismo. Também existe a varicocele, que é a dilatação e varizes das veias da bolsa testicular. Existem fatores genéticos com alteração do cariótipo e também uma alteração chamada microdeleção do cromossomo Y, em que falta um pedacinho do cromossomo, do material genético, e isso é responsável pela ausência total ou presença de poucos espermatozoides. Além disso, temos a criptorquidia, quando o testículo não desce antes do nascimento, se não for corrigido a tempo é causa de infertilidade masculina. E fatores hormonais, principalmente por abuso de esteroides anabolizantes, que também são causas comuns de infertilidade masculina.

Quais exames devem ser feitos para diagnosticar a infertilidade masculina?

RODRIGO ROSA: O exame que vai avaliar o potencial fértil do homem é o espermograma, que mostra o volume do sêmen, a concentração dos espermatozoides, a motilidade nesses espermatozoides e a morfologia. Baseado nesses parâmetros, nós podemos estimar se o homem é fértil ou não. Mas a comprovação de fertilidade é apenas quando há a gravidez. No caso de alteração do espermograma, fazemos outros exames para avaliar a causa daquela alteração, como um ultrassom de bolsa testicular, doppler para avaliar a presença de varicocele além do exame clínico, exames hormonais e também um exame chamado de fragmentação de DNA espermático, que também pode ser causa de infertilidade e abortos de repetição.

Quais são os sinais de alerta da infertilidade masculina?

RODRIGO ROSA: Os principais sinais de alerta acontecem quando há um histórico de criptorquidia, de caxumba com acometimento dos testículos na infância, algum trauma importante como uma pancada, acidente na região dos testículos, quando há histórico familiar em que irmãos têm infertilidade, algo que possa deixar mais evidente que há algo genético envolvido, e principalmente nos homens que têm algum fator de risco, como obesos, tabagistas, pessoas que consomem álcool em alta frequência e todos os fatores mencionados.

Tem tratamento? Como ele é feito?

RODRIGO ROSA: O principal tratamento da infertilidade masculina é identificar e tratar a causa daquela infertilidade. Então se for a varicocele, o tratamento cirúrgico pode ser indicado. Se for obesidade, a perda de peso. Se for algum hábito de estilo de vida, melhorar esse hábito. Mas existem casos que são realmente irreversíveis, que são sequelas de traumas e infecções ou mesmo genéticas que não são passíveis de reversão. Na grande maioria dos casos em que não há uma forma de reverter aquela piora da qualidade e quantidade dos espermatozoides, são indicados os tratamentos de reprodução assistida como a inseminação artificial nos casos mais leves e nos casos mais severos a fertilização in vitro.

Mudar hábitos do estilo de vida ajuda? Quais?

RODRIGO ROSA: Os hábitos de estilo de vida prejudiciais como alimentação inadequada, abuso de álcool e a obesidade, todos esses têm um fator em comum que é o aumento do estresse oxidativo. E com isso há uma piora na produção e na qualidade desses espermatozoides. E todos os fatores que estão ligados ao aquecimento da região genital, já que para ter uma melhor produção de espermatozoides, a temperatura dos testículos deve estar abaixo da temperatura corpórea. Nos casos de varicocele, de obesidade, esse aumento da temperatura faz com que não haja uma produção adequada dos espermatozoides. Mudar os hábitos é fundamental nesses casos, para a saúde reprodutiva e do organismo como um todo.

E nos casos em que o tratamento não é possível?

RODRIGO ROSA: Existem muitos casos de azoospermia, que é a ausência de espermatozoides no ejaculado, mas que é possível, através de uma pulsão ou biópsia do testículo ou do epidídimo, obter espermatozoide e fazer a técnica de fertilização in vitro. Epidídimo é uma estrutura onde ficam armazenados os espermatozoides – ao lado do testículo. Nos casos em que não há espermatozoides e não é possível indicar na biópsia, o tratamento indicado é recorrer a bancos de sêmen, de doador anônimo, para que esse casal consiga ter filhos e o homem com infertilidade consiga ser pai não biológico.

Quando é a hora de procurar tratamento?

RODRIGO ROSA: Todos os casais que estão tentando engravidar há um ano sem sucesso devem ser investigados, porque é uma luta contra o tempo, quanto antes diagnosticar e tratar a causa da infertilidade, melhor o prognóstico de gravidez. E como a infertilidade masculina é tão comum quanto a feminina, sempre o homem deve ser investigado. O espermograma é um exame básico, que deveria ser feito em todos os homens antes mesmo de tentar a gravidez para que o homem saiba que, se tiver um problema, trate aquela causa antes que se perca tempo em busca de uma gestação espontânea que muitas vezes pode não acontecer.

*DR. RODRIGO ROSA: Ginecologista obstetra especialista em Reprodução Humana e sócio-fundador e diretor clínico da clínica Mater Prime, em São Paulo, e do Mater Lab, laboratório de Reprodução Humana. Membro da Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida (SBRA) e da Sociedade Brasileira de Reprodução Humana (SBRH), o médico é graduado pela Escola Paulista de Medicina – Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP/EPM). Especialista em reprodução humana, o médico é colaborador do livro “Atlas de Reprodução Humana” da Sociedade Brasileira de Reprodução Humana. Instagram: @dr.rodrigorosa

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.