Chega de Birra: Escovação na Infância é Indispensável para Garantir Saúde Oral

Especialista dá dicas para estimular as crianças a adotarem sem resistência o hábito da escovação, que deve ser realizado com produtos específicos para essa faixa etária para tornar esse cuidado mais divertido e prevenir lesões.

Nós sabemos que escovar os dentes diariamente é indispensável para prevenir doenças orais e manter os dentes saudáveis e bonitos. Mas muitas crianças não têm essa noção, o que gera momentos de choro e briga quando chega o momento da escovação. Mas é importante não ceder à birra dos pequenos, pois esse hábito é ainda mais importante na infância: “É na infância que devemos desenvolver na criança o hábito da higiene oral. Estimular e treinar a criança precocemente a realizar a escovação faz com que seja mais fácil estabelecer esse cuidado que deverá ser feito ao longo de toda a vida para garantir a manutenção da saúde oral”, explica o Dr. Hugo Lewgoy, cirurgião-dentista e doutor pela USP. “Normalmente a criança não tem muita paciência para executar a higienização oral da forma adequada, mas é fundamental não haver descuidos. Devemos persistir sempre, checando e, se necessário, reforçando a escovação diária. Até os seis ou sete anos de idade isso deve ser uma rotina, sempre fazendo elogios e orientando a criança para incentivá-la e manter sua autoestima em alta”, destaca o especialista. Mas, afinal, como fazer com que as crianças queiram escovar os dentes sem resistência?

Uma das principais causas de crianças não quererem escovar os dentes é por acharem uma obrigação chata. Então, uma estratégia para contornar esse problema é tornar esse hábito em um momento de diversão. Uma maneira de fazer isso é realizando a escovação junto com seu filho ou então apostar em produtos com um apelo chamativo para crianças. Por exemplo, os pequenos amam cremes dentais com sabor! Mas é importante tomar cuidado na hora de escolher o produto para não prejudicar a saúde oral da criança. “Evite, por exemplo, produtos que contam com Sodium Laryl Sulphate (SLS Free), um tipo de surfactante (detergente) que promove a formação de espuma, mas possui potencial irritativo das mucosas orais das crianças e pode levar a formação de aftas.

Cuidado também com cremes dentais abrasivos, pois, podem favorecer a abrasão do esmalte (desgaste) e a retração da gengiva. Atente-se também para não exagerar na quantidade de creme dental só para agradar a criança. “Crianças pequenas tendem a engolir praticamente tudo o que põem na boca, inclusive o creme dental, pois ainda não desenvolveram o controle total da deglutição. Então, para evitar esse problema, a quantidade ideal de creme dental deve ser adequada à idade da criança, variando entre o tamanho de meio grão de arroz (0-2 anos), um grão de arroz (2-4 anos) ou uma ervilha (acima de 4-6 anos desde que a criança já tenha controle da deglutição). Além disso, insira o produto no meio das cerdas para evitar que seja deglutido facilmente”, aconselha o especialista.

Outro motivo pelo qual muitas crianças não gostam de escovar os dentes é por acharem um hábito desconfortável e, às vezes, até mesmo doloroso. Mas isso não deve acontecer e, se essa é uma reclamação constante dos pequenos, pode ser que tenha algo errado com a escova que está sendo usada. “É fundamental não escolher a escova dental da criança por impulso, apenas pela presença de personagens de filmes, desenhos animados ou bichinhos coloridos. O produto deve ser escolhido com base nas diferenças anatômicas dos arcos dentais, principalmente com relação ao formato e tamanho dos maxilares e tamanho dos dentes. Os arcos dentais (maxilar superior e inferior) vão se modificando com o crescimento, sendo importante escolher uma escova que facilite a tarefa da higienização oral”, explica o Dr. Hugo Lewgoy. Por exemplo, a primeira escova das crianças, antes mesmo dos primeiros dentes nascerem, deve ser uma espécie de mordedor, combinando escova massageadora, mordedor e chocalho para proporcionar uma atividade divertida e estimulante para o bebê ao mesmo tempo em que promove a higienização e alívio da dor da irrupção dos dentes. “Já após o nascimento dos primeiros dentes, o ideal é que a escova utilizada possua uma cabeça pequena e anatômica, para que não cause ferimentos, e um cabo ergonômico que permita que o instrumento seja segurado tanto pelos pais, quanto pela criança, como é o caso da escova Baby. Quando a criança começar a ganhar mais autonomia da escovação, por volta dos 4 anos, é interessante o uso de uma escova um pouco maior que facilite a empunhadura pelos pequenos nessa idade, mas tenha uma anatomia que evite a ocorrência de lesões na gengiva, como a escova Kids. Uma grande quantidade de cerdas ultramacias, também é recomendada para as crianças, garantindo uma remoção mais eficaz da placa bacteriana”, destaca.

Por fim, o Dr. Hugo Lewgoy lembra que a higiene oral não se restringe apenas a escovação e, com a irrupção dos primeiros molares decíduos, a limpeza da região de contato entre os dentes adjacentes (região interdental) já se torna essencial para remover os detritos alimentares e o biofilme oral que se acumulam facilmente nesses locais. Esse cuidado pode ser feito com o fio dental, mas é ainda mais eficaz com as escovas interdentais, como a CPS Prime, que, inclusive, possui um cabo que torna mais fácil para que os pais ajudem as crianças a realizarem esse hábito. “Enquanto o fio dental auxilia na remoção de detritos alimentares em áreas de contato muito apertadas, as escovas interdentais realizam a desorganização da placa bacteriana nas irregularidades e depressões que o fio dental não consegue alcançar. Porém, é fundamental sempre consultar um Odontopediatra ou cirurgião-dentista de confiança para receber instruções precisas”, finaliza.

FONTE:

Dr. Hugo Lewgoy, cirurgião-dentista e doutor pela USP

CURAPROX

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.