Chegada do Outono/Inverno Traz Aumento no Número de Casos de Sinusite

Doença é uma inflamação na mucosa dos seios da face e atinge uma em cada cinco pessoas

A sinusite é uma inflamação na mucosa dos seios da face, região do crânio formada por cavidades ósseas ao redor do nariz, maçãs do rosto e olhos, que afeta uma em cada cinco pessoas no mundo e pode ser desencadeada por diversos fatores como poluição do ar, alergias e gripe. Por conta desses últimos fatores, as estações de outono e inverno costumam trazer consigo um aumento no número de casos da doença.

“O outono/inverno é um período do ano que apresenta aumento na incidência de quadros infecciosos virais (gripes e resfriados). Isso, por consequência, pode levar a aumento na incidência de sinusite aguda que é uma complicação bacteriana destas infecções virais”, afirma o Dr. Ali Mahmoud, otorrinolaringologista do Hospital Santa Catarina — Paulista.

“Os sintomas clássicos de sinusite aguda são: obstrução nasal, secreção nasal amarela ou esverdeada, muco descendo do nariz para a garganta, tosse, dor em face ou região frontal e eventualmente febre. Lembrando que somente a dor de cabeça e dor em face isolados não representam sinusite”, explica o médico.

A sinusite aguda também pode acarretar no desenvolvimento de complicações oculares, ósseas e neurológicas, sendo muitas delas graves e com necessidade de tratamento cirúrgico. “Os sintomas que podem apresentar maior gravidade são: febre alta, dor de forte intensidade, edema em volta dos olhos, baixa de acuidade visual ou eventual perda de visão e sintomas neurológicos, além de vermelhidão em face ou em volta dos olhos. Outro sinal de complicação pode ser edema com massa localizados na região frontal”, afirma o otorrinolaringologista do Hospital Santa Catarina — Paulista.

Toda a população está sujeita a desenvolver a doença. Casos recorrentes precisam ser analisados por um profissional, que analisará fatores anatômicos e funcionais para coibir o desenvolvimento. No caso de tratamento, o tradicional é a lavagem nasal com soro fisiológico. “Nos casos de complicações graves ou quadros que não melhoraram com o tratamento inicial, pode ser necessária a realização de exames complementares, como a tomografia computadorizada de seios paranasais. E em caso de complicação estabelecida, o tratamento cirúrgico pode ser necessário”, conclui Dr. Mahmoud.

Confira cinco passos para evitar o desenvolvimento de sinusite

· Previna-se para que quadros respiratórios não evoluam para uma sinusite. Isso pode ser feito a partir da lavagem nasal com soro fisiológico;

· Evite o ar-condicionado. Ele pode ressecar as mucosas e disseminar agentes infecciosos;

· Beba muita água quando estiver com quadros gripais;

· Evite ficar muito tempo em locais fechados e sem ventilação;

· Procure ajuda médica em casos de febre e dores intensas.

Autoria: Dr. Ali Mahmoud, otorrinolaringologista do Hospital Santa Catarina — Paulista.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.