Dormitório do Bebê: Como Criar Um Ambiente Seguro e Aconchegante para a Chegada do Pequeno?

O que deve ser observado e o que não pode faltar no quartinho que receberá a criança desde os seus primeiros dias em casa 



O estilo clássico norteou as escolhas: tons claros – incluindo no mobiliário, papel de parede e enxoval. Em toda especificação, a certeza de um ambiente seguro e confortável para a convivência em mamãe e bebê | Foto: Gustavo Scatena

A chegada de um bebê é sempre muito especial e aguardada! E durante a espera, mamães, papais e familiares próximos se envolvem e se dedicam ao planejamento e execução do dormitório que acolherá, com todo cuidado e caminho, o mais novo membro da casa. No decorrer deste percurso, fraldas e roupinhas precisam de um dormitório planejado e funcional que oferecerá o espaço para que tudo fique bem-organizado. Além disso, o projeto deve trazer dois atributos primordiais: funcionalidade e segurança no atendimento de todas as necessidades de uma criança que chega recém-nascida e que crescerá nesse ambiente.

Segundo a arquiteta Cristiane Schiavoni, à frente do escritório que leva o seu nome, um décor afetivo e pensado não apenas com a questão estética, mas conduzido por detalhes.

Não adianta nada definir uma temática no décor, se todo o layout e os móveis não proporcionarem segurança para os cuidados com o bebê e ergonomia para quem está cuidando de atividades tão cotidianas.

Com ampla experiência em projetos infantis – e com o adendo de também ser mãe – a profissional listou suas análises e dicas que facilitarão a rotina durante este período tão bonito, importante e delicado na vida de uma família. Acompanhe:

O projeto deste dormitório, tons claros em uma composição entre o branco e o bege claro presente em detalhes da parede e do piso amadeirado. No mobiliário, a cômoda com trocador, poltrona de amamentação e uma caminha extra, que também faz as vezes de sofá, para quando for necessário dormir próximo ao bebê | Foto: Gustavo Scatena

Segurança

A segurança é o ponto principal que deve reger o projeto deste ambiente. Para isso, tudo o que se diz respeito às quinas e alturas de móveis, além de outros itens que possam atrapalhar a circulação do espaço, precisam ser repensados. De acordo com a profissional, pensar em como será o formato dos móveis é muito importante, desde calcular a distância das grades para que a criança não se machuque, quantidade de almofadas que serão colocadas no berço para não causar sufocamentos e até o tipo de tapete que será colocado no chão para não causar tropeços e acidentes. “Sabemos que encher o quarto de peças é um sonho de muitas mães, mas pode não ser a solução. É necessário tomar muito cuidado nessa equação entre sonho e o espaço, além de conciliar com as normas que regem o desenho do mobiliário”, orienta. Portanto, escolher um piso que seja fácil de limpar, móveis que não acumulem muita poeira e um ângulo que priorize a insolação e ventilação são primordiais no processo de decisão.

No dormitório do Bernardo, Cristiane Schiavoni investiu em um berço e nichos arredondados, que não machucam a criança. Quanto as cores, a seleção foi conduzida por uma paleta cromática que acompanhou a da personalidade e gosto da família. Para o banho, a cômoda conta com uma chuva higiênica, que facilita o enchimento da banheira | Foto: Carlos Piratininga

Funcionalidade e organização

Além de um ambiente confortável e decorado, o dormitório infantil não pode ser motivo de dor de cabeça e incômodos para a mamãe e quem a ajuda nos cuidados.  Portanto, ter tudo sempre a mão é essencial enquanto ela faz o filhote dormir, amamenta e troca a fralda, entre outras atividades rotineiras.

Para Cristiane Schiavoni, adequações para essas tantas tarefas envolvem tanto a saúde da mamãe – uma vez que a rotina é intensa, tanto para o físico, quanto o mental. Soma-se a isso a preservação da integridade da criança, uma vez que um piscar de olhos pode se configurar em um acidente que poderia ser evitado. “Se o lenço umedecido estiver longe e for necessário se deslocar para pegá-lo, um pequeno movimento do bebê deitado no trocador pode ser suficiente para uma queda. E ninguém deseja uma situação dessas”, preocupa-se. Ainda sobre a ergonomia, ela reafirma sua dedicação para proporcionar o máximo conforto para quem está à frente dos cuidados. “A poltrona de amamentação precisa oferecer design e ergonomia para uma amamentação sem dores de coluna ou no braço. Uma mesinha de apoio, bem próxima, faz a diferença para dispor o que precisa estar sempre à mão”, completa.

Ainda sobre a altura do trocador, a arquiteta salienta que altura não pode interferir em uma postura sempre inclinada do adulto. O mesmo se aplica à cômoda, que deve ser posicionada próxima ao berço.

No quartinho da bebê, a arquiteta inseriu a cômoda ao lado do berço com o objetivo de facilitar a rotina quando as país precisarem trocar fraldas ou pegar qualquer item da criança nas gavetas | Foto: Carlos Piratininga

Versatilidade

Muitas pessoas planejam um quarto flexível e que acompanhe o crescimento, que acontece num piscar de olhos. Para isso, a versatilidade no mobiliário é primordial! “O mercado moveleiro dispõe de peças que se transformam no decorrer dessas etapas. Temos berços que viram mini camas, móveis ‘3 em 1’… Na decoração, o papel de parede configura-se como uma excelente opção, pois pode ser e substituído com o passar dos anos, sendo mais econômico que uma pintura, por exemplo”, exemplifica a arquiteta. Em ambientes com metragens reduzidas, trabalhar com esses itens de dupla função e que otimizam as medidas é um caminho interessante que resultará em mais espaço de circulação

Nestes dois dormitórios para meninos, também assinados por Cristiane Schiavoni, a arquiteta trabalhou o azul no clássico papel de parede! Além de trazer personalidade para o espaço, pode ser retirado e substituído por outro, quando solicitado. Tanto no primeiro, do João Pedro, como no segundo, do Rafael, a cor segue em unidade com os demais elementos trazidos na composição | Foto: Raul Fonseca/Carlos Piratininga

Décor aconchegante

Quando os pais estão nessa fase de montar o quarto do baby, a maioria sonha com um ambiente mágico e repleto de muitas pelúcias. Mas há de se considerar que, na maioria das vezes, esses ‘bichinhos inocentes’ são verdadeiros acumuladores de pó!

Para Cristiane, a aplicação de cores e as formas geométricas são algumas dessas opções que muito bacanas em projetos infantis e podem ser introduzidos desde cedo! “Além disso, a mistura de acessórios como nichos, quadros, retratos e pôsteres também criam um ambiente afetivo e gostoso. Com moderação, tudo é muito bem-vindo”, analisa.


Detalhes que fazem a diferença no décor de quarto de bebê | Foto: Carlos Piratininga

Atente-se:

1.     Invista em luzes mais fracas, tanto na lâmpada central como também em abajures e luminárias;

2.     Observe a qualidade do ar;

3.     Mantenha aparelhos eletrônicos fora do quarto, para não interferiram no sono da criança;

4.     Pensando no conforto acústico, dê preferência para a montagem do projeto no quarto mais silencioso da casa e preferencialmente longe do barulho da rua;

5.     Na hora da limpeza, selecione, com cautela, produtos de limpeza sem cheiro, priorizando a água.

Neste quarto infantil, arquiteta apostou em elementos de valor afetivo para família, criando mais um ambiente fofo e terno | Foto: Carlos Piratinga.

Cristiane Schiavoni

Formada em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de São Paulo (FAU-USP), Cristiane Schiavoni atua na área de arquitetura, decor

Veja o perfil completo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *