Maternidade nada Romântica

Eu tive o privilégio de poder escolher ser mãe. Falo isso porque quando nascemos mulheres nos ensinam (e nos empurram) que devemos ser mães. Como se ter um útero fosse sinônimo de maternidade. E não é.

E eu tive esse privilégio. Eu quis, escolhi e tive meus filhos. Sim, no plural e são 4. E sou empreendedora, sou palestrante, e claro: escritora.

O que mais escuto é: “que coragem”, “nossa!”, “como você dá conta de tudo?”. E a última pergunta, mais prática, consigo responder.

Primeiro, não dou conta de tudo. Desisti, há muito, de ser perfeita. Eu faço o que consigo e o que posso. E isso, minha cara leitora, foi a coisa mais libertadora que já fiz na vida.

Durante muitos anos me cobrei ser a mulher perfeita. Aquela que conseguia se alimentar perfeitamente, malhar, trabalhar, fazer a lição de casa com filhos. Roupas limpas e engomadas! Casa organizada com metodologia japonesa… Não. Eu não consegui. Cheguei a adoecer. 

E descobri que posso ser perfeita à minha maneira. Que terão dias que o jantar será miojo e no outro um belo risoto. Que esquecerei a tarefa de lição de casa. Que o par de meias não será necessariamente um par. 

E descobri, nessa delícia corrida que é minha vida e eu e meus filhos precisávamos de uma coisa só: EU. Mas o meu eu Real! A que cansa, que ri, que chora. A que erra e pede desculpas.

E por isso, tomo a liberdade de te dar umas 5 dicas, de mãe cansada para mãe cansada:

Permita-se surtar

Sim, você está cansada. Sim, você está com raiva. E TUDO BEM!

Surte! Chore no banheiro, cante alto. Explique ao seu filho que o dia foi ruim, que não é nada que ele fez, mas só o dia que foi difícil. Ele vai entender. Você vai desabafar e encontrará um elo e uma amizade com ele que nunca imaginou. 

(fora ajudar seu filho a compreender que há coisas ruins sim, que ele pode te ajudar, que ele é tão importante a ponto de você compartilhar com ele sua vida e ensiná-lo que a mamis também cansa)

Procure descansar

Sei que parece utopia, mas eu tiro nem que seja 10 minutos para ficar comigo mesma. E confesso: faço isso no banho (risos). Mas ~soa os meus 10 minutos, com minha música e meu mundo. Medito também, 5 minutos se der, por dia. Acalma minha mente e organiza minhas ideias.

Permita-se ter suas coisas

Quando nos tornamos mães nosso mundo está ali, nele. Coração que bate fora do peito, não é assim que falam?

Com isso deixamos de ter nossas coisas. A quanto tempo você não compra algo para você? Uma blusa, um brinco. um iogurte que seja. Mime-se. Fará bem a você a ensinará ao seu filho autoestima.

Brinque

O tempo voa. tenho 4 filhos e vejo isso com mais precisão e frequência.

Brinque com eles. Compre jogos de tabuleiro. Monte blocos de montar. Assistam a um episódio ou capítulo de uma novela ou série juntos. Nunca serão esquecidos e seu coração vai se encher de amor. faça isso, mesmo cansada.. valerá muito a pena.

Agende-se

Essa é a única dica que para mim salva tudo. Do trabalho à escola. 

Eu uso o Google Calendar (porque apita no celular). Mas use o que quiser. Marque no calendário na parede, no celular, na agenda física. Anote as tarefas que tem que fazer em todas as áreas de sua vida. Com cores diferentes, grife ou marque o texto com cores diferentes. Depois que fizer isso, liste as 3 ações que se você não fizer vai dar muita b**** .

Isso te ajudará a organizar suas atividades e conseguir priorizar as ações. Sua ansiedade vai diminuir.

Com 4 filhos lindos eu compartilhei contigo um pouco do que coloquei em prática e foi incrível. Teste aí. Crie as suas.

E desejo a você muita alegria e amor! Pois somos mães. Mães incríveis!

Autora: Débora Loureiro além de mãe, é especialista em Desenvolvimento Humano. Contribui para o aumento de poder pessoal de quem está em contato usando conhecimentos de várias áreas sobre a mente humana, experiência e sensibilidade.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.