Os principais mitos e verdades sobre bebês prematuros

Dados da Unicef e Ministério da Saúde apontam que 11,7% de todos os partos ocorrem antes do tempo previsto

(Imagem: Adobe Stock)

Bebês são seres vulneráveis e que demandam de inúmeros cuidados, principalmente àqueles que nascem antes do tempo previsto. Nestes casos, é comum que os responsáveis tripliquem a sua preocupação e zelo quanto ao recém-nascido. Segundo, Renato de Oliveira, ginecologista e obstetra da Criogênesis, o parto prematuro ocorre quando o feto nasce antes das 37 semanas de gestação, o que pode acontecer devido a várias causas, como ruptura prematura da bolsa amniótica, descolamento da placenta a doenças relacionadas com a saúde da grávida, infecção uterina e como anemia ou pré-eclâmpsia.

O Dia Mundial da Prematuridade comemorado anualmente em 17 de novembro, foi criado para chamar a atenção para um problema que atinge 15 milhões de crianças todos os anos ao redor do mundo. Cerca de 11,7% de todos os partos ocorrem antes do tempo, segundo o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) e o Ministério da Saúde.

Pensando em esclarecer as principais dúvidas que se repercutem sobre a prematuridade em recém-nascidos, o especialista lista abaixo os mitos e verdades mais comuns sobre o tema:

  1. Prematuros apresentarão problemas de saúde ao longo da vida

Depende. Dr. Renato ressalta que isso varia muito. “Maior será a probabilidade de ter alguma sequela no futuro, quanto mais prematura tiver nascido a criança,. Porém, é pouco comum os casos bebês considerados prematuros extremos”, explica. Sendo assim, tudo irá depender da avaliação médica e de como o bebê evolui com os tratamentos oferecidos.

2. Recém-nascidos prematuros são mais vulneráveis

Verdade. Por não estarem totalmente desenvolvidos, consequentemente, são mais suscetíveis a infecções, sendo comum que a taxa de mortalidade e de doenças graves aumentem consideravelmente. “O cuidado dos pais com os recém-nascidos prematuros deve ser muito maior, em especial com os problemas respiratórios”, destaca.

3. Não é possível realizar a coleta do sangue e tecido do cordão umbilical em bebês prematuros

Mito. Assim como para os que tiveram o ciclo gestacional completo, os prematuros também podem ter o seu tecido do cordão umbilical coletado em qualquer idade gestacional e o sangue pode ser coletado a partir de 32 semanas. O ginecologista informa que ao optar pelo armazenamento do material os pais estarão garantindo uma reserva importante de células-tronco, utilizadas no tratamento de mais de 89 tipos de doenças como, cânceres do sangue, doenças auto-imunes e degenerativas, dentre outras.

4. Bebês prematuros não podem ser amamentados

Mito. “Eles devem ser amamentados, porém, alguns podem não conseguir sugar. Mesmos os prematuros maiores podem sugar muito lentamente e acabarem não ganhando peso. Em alguns desses casos, a alimentação pode ocorrer por meio de sondas”, aponta. O médico afirma que o ideal é alimentar o bebê com leite materno ordenhado, mas pode ser necessário o uso de nutrição endovenosa.

5. A prematuridade pode ser evitada

Verdade. Com a realização dos exames durante a gestação, é possível acompanhar a evolução da criança e prever como serão os próximos meses. “Caso a grávida apresente algum fator de risco que possa levar ao parto prematuro, o seu especialista pode receitar alguns tratamentos para que o quadro seja evitado”, concluí.

Criogênesis

A Criogênesis, que nasceu em São Paulo e possui mais de 17 anos de experiência com células-tronco, é acreditada pela AABB (Associação Norte A...

Veja o perfil completo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *