Preservação da Fertilidade: Opção para Mulheres que estão Iniciando Tratamentos Oncológicos

Médica ginecologista ressalta a importância de preservar a fertilidade durante o tratamento oncológico, além de dar dicas sobre como atingir esse resultado. 

É notório que certos tratamentos oncológicos podem carregar alguns desafios, ainda que não sejam impossíveis de serem resolvidos e tampouco devem nos desestimular de alguma forma. Alguns tipos de câncer e determinados tratamentos, por exemplo, podem afetar a fertilidade em homens e mulheres, sendo necessário um certo planejamento em caso de o paciente desejar ter filhos após o tratamento. A Dra. Camila Ramos médica ginecologista e obstetra e especialista em reprodução humana e climatério abordou o tema e explicou com detalhes sobre essa necessidade, esclarecendo-a e trazendo diversos meios de reverter a diminuição da fertilidade.

De acordo com a ginecologista, certos tipos de cirurgia de câncer podem resultar na remoção de órgãos necessários para a gravidez e alguns tratamentos podem alterar os níveis de hormônio ou causar danos aos óvulos femininos. Esses efeitos fazem com que algumas mulheres percam a fertilidade durante o tratamento, que pode ser temporário ou permanente. “Algumas mulheres, no entanto, podem decidir tomar medidas que ajudem a preservar sua fertilidade para que possam tentar ter filhos após o tratamento. É melhor que as discussões sobre a preservação da fertilidade ocorram antes da cirurgia ou antes do início dos tratamentos. Não presuma que o seu médico ou enfermeiro irá perguntar se a fertilidade é importante para você. Eles nem sempre se lembram de trazer isso à tona, então você pode ter que trazer você mesma”, atenta.

Ela elucida, também, que a preservação da fertilidade ocorre quando óvulos, espermatozoides ou tecidos reprodutivos são salvos ou protegidos para que uma pessoa possa usá-los para ter filhos no futuro. Contudo, é muito importante conversar com sua equipe de tratamento sobre ter relações sexuais desprotegidas durante e após o tratamento do câncer, eles podem recomendar uma espera de alguns meses ou mais antes de tentar ter um filho por meios naturais ou até retomar a relação sexual desprotegida.

Dra. Camila ressalta que a preservação da fertilidade não necessariamente é a única forma de engravidar após o tratamento, outras formas também podem ser eficazes, mas tudo dependerá de qual tipo de tratamento o paciente estiver passando. São elas:

Possível gravidez natural: 

Em mulheres que estavam férteis antes do tratamento, o corpo pode se recuperar naturalmente após o tratamento. Pode ser capaz de manter ou restaurar os ciclos hormonais normais e produzem óvulos maduros que podem ser fertilizados e implantados no útero para se tornarem um feto. A equipe médica pode recomendar esperar de seis meses a dois anos antes de tentar engravidar.

“Esperar seis meses pode reduzir o risco de defeitos congênitos em ovos danificados pela quimioterapia ou outros tratamentos. O período de dois anos é geralmente baseado no fato de que o risco de o câncer voltar (recorrente) é geralmente maior nos primeiros dois anos após o tratamento. A duração depende do tipo de câncer e do tratamento utilizado”, esclarece.

Criopreservação (congelamento de embriões ou ovos):

Os especialistas recomendam o congelamento de embriões ou óvulos, chamado criopreservação, para ajudar a preservar a fertilidade de certas mulheres com câncer. É importante encontrar um especialista em fertilidade e um centro com experiência nesses procedimentos. 

“O processo de coleta de ovos para embrião e congelamento de ovos são os mesmos. No entanto, o momento pode ser diferente. A coleta de óvulos para criopreservação de embriões geralmente leva vários dias ou semanas, dependendo de onde a mulher está em seu ciclo menstrual. Os medicamentos de hormônio injetável são administrados às mulheres quando é seguro administrá-los. Para a criopreservação de óvulos, o tempo do ciclo menstrual não é tão importante. Para ambos os procedimentos, um cateter é colocado na parte superior da vagina e no ovário para coletar os óvulos.”

Gravidez:

Se você não estiver usando anticoncepcional e tiver sexo vaginal com um parceiro masculino na época da ovulação, um único espermatozoide pode fertilizar o óvulo. O ovo fertilizado começa a se dividir, formando um embrião. Se o embrião se implanta em seu endométrio, você engravida. As células do embrião continuam a se dividir, tornando-se um feto. Durante a gravidez, o útero se expande para segurar o feto conforme ele cresce.

Menstruação:

Se o óvulo liberado durante a ovulação não for fertilizado, ou se o embrião não se implantar no endométrio, os níveis de hormônio caem e fazem com que o revestimento do útero se derrame. Essa secreção sanguinolenta forma seu período menstrual mensal. O ciclo então começa novamente, com novos ovos amadurecendo a cada mês.

Reserva ovariana:

As mulheres nascem com cerca de um milhão de óvulos. Durante a vida de uma mulher, apenas quatrocentos a quinhentos óvulos são liberados durante a ovulação. Os outros óvulos morrem naturalmente com o tempo, então o número de óvulos nos ovários (chamados de reserva ovariana) diminui gradualmente. Com menos ovos, é mais difícil engravidar.  “Eventualmente, há tão poucos óvulos que a mulher se torna infértil (incapaz de engravidar)”, lamenta.

Por causa dos muitos fatores que podem afetar a fertilidade, é difícil saber como você pode ser afetado por seu tratamento. Não podemos obter a certeza de quem ainda conseguirá engravidar após o término do tratamento e quem não, como não podemos saber ao certo quanto tempo uma mulher fica fértil após ele. Se você está pensando em tomar medidas para preservar sua fertilidade, é possível fazê-lo, é importante entender os riscos e as chances de sucesso de qualquer opção de fertilidade em que esteja interessada, tendo em mente que nenhum método funciona cem por cento do tempo.

“É extremamente importante procurar um especialista que a auxilie no processo, te atentando aos riscos e participando do tratamento em conjunto, conduzindo-a de forma correta”, finaliza.

Fonte: Dra. Camila Ramos – ginecologista com ênfase em reprodução humana e climatério – CRM: 52-95691-0

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.