Tamanho da Cabeça do Bebê: Problemas Associados

Foto por Senior Airman Carlin Leslie

O normal éque, ao nascer, o recém-nascido apresente os ossos do crânio separados por suturas e duas aberturas no topo, denominadas fontanela anterior e posterior, conhecidas popularmente como moleiras. As principais funções dessas estruturas são: facilitar a passagem do feto pelo canal inguinal no momento do parto e permitir o crescimento adequado do cérebro. Posteriormente estas aberturas fecharam naturalmente.

A fontanela anterior mede de 1cm a 4cm, tem forma losangular, fecha-se do 9º ao 18º mês e não deve estar fechada no momento do nascimento. A fontanela posterior é triangular, mede cerca de 0,5cm e fecha-se até o segundo mês. Não devem estar túrgidas, abauladas ou deprimidas
O formato da cabeça pode variar de indivíduo para indivíduo, de acordo com a característica familiar. Por conseguinte ao nascimento, écomum o recém-nascido apresentar deformações na calota craniana que são consequentes da compressão destas no parto. Contudo, dentro de 7 a 10 dias a cabeça retoma o formato normal.

Problemas associados às fontanelas (Moleira):

1. Craniossinostose

Também denominadacranioestenose, é uma anomalia resultante da fusão prematura das suturas craniais.
No caso da craniossinostose, háuma modificação no formato do crânio, uma vez que o cérebro fica impossibilitado de crescer normalmente. Esse fechamento adiantado pode resultar em deformidades na cabeça e até problemas neurológicos severos.

2. Microcefalia

É um problema neurológico no qual a criança possui a massa cefálica e o crânio reduzidos, com menos de 42 centímetros de circunferência comum ano e três meses de idade. Quando nascem, normalmente os bebês têm ossos separados na caixa craniana (moleira); no caso da microcefalia estes ossos nascem unidos ou se unem antes da massa cefálica se desenvolver devidamente.
Os sintomas da microcefalia variam de acordo com a agressividade da doença. Quando os ossos se unem antes do sétimo mês de gestação, apresentam-se quadros mais graves sendo chamada de microcefalia primária; após esse período é chamada de secundária, dependendo das sequelas novos sintomas podem variar. Os sintomas mais frequentes são: retardos mentais, ataques epiléticos, músculos rígidos e podendo acarretar em paralisia em casos mais graves.

Mesmo a microcefalia não tendo cura, a fisioterapia ininterrupta é extremante importante, além de agir no seu desenvolvimento, evita que a criança desenvolva problemas musculares e respiratórios.

3. Sindrome de Pfeiffer

É autossômica dominante causada por uma mutação genética e corresponde ao fechamento precoce de múltiplas suturas. Ocorre uma hipoplasia (diminuição da formação do terço médio da face), má oclusão com protusão mandibular (mandíbula encontra-se posicionada anteriormente a face), hiperteleorbitismo (olhos afastados), exorbitismo (olhos saltados), palato ogival (crescimento anormal e mais estreito do palato), sindactilia de mãos e pés (com menor frequência e intensidade que na Síndrome de Apert) e hipertrofia do hálux (dedo polegar aumentado) com desvio medial. Também tem transmissão hereditária por um gene autossômico dominante.

4. Sindrome Apert

O paciente apresenta cabeça grande, olhos saltados e face posteriorizada, repercutindo na função neurocognitiva, já que as suturas de crânio e face estão fechadas, e também na respiração, mastigação e deglutição. O ideal é que a criança seja encaminhada ao Hospital, sendo que a primeira cirurgia (em torno de três meses de idade) é feita nas mãos. Aos seis meses, ocorre a cirurgia de crânio e, na sequencia, aos nove e doze meses, outras intervenções nas mãos.
Frequentemente, os pacientes com a síndrome apresentam graus variados de atraso do desenvolvimento, déficit cognitivo e deficiência intelectual.

5. Síndrome de Crouzon

É um dos muitos defeitos congênitos que causam fusão anormal entre os ossos do crânio e do rosto. Normalmente, quando o cérebro de uma criança cresce, as estruturas abertas entre os ossos permitem que o crânio se desenvolva normalmente. Quando as estruturas se juntam muito cedo, o crânio cresce na direção das estruturas abertas restantes. Na síndrome de Crouzon, os ossos do crânio e do rosto se juntam muito cedo, trazendo alterações na face, não afetando outras áreas do corpo, como mãos e pés.

6. Síndrome Saethre-Chotzen

A origem da síndrome seria um gen com transmissão autossômica, penetrância completa, que promove uma fusão precoce de várias suturas, hipoplasia do terço médio da face, hiperteleorbitismo, exorbitismo, ptose palpebral, palato arqueado, nariz curto, baixa estatura, criptorquidismo (quando o testículo não desce) e anomalias renais. O crânio assume formas características com fronte inclinada posteriormente
Guia do Bebê

Fontes
https://www.infoescola.com/
http://bvsms.saude.gov.br/
https://www.msdmanuals.com/pt
https://sobrapar.org.br/
http://www.spsp.org.br/spsp_2008/materias.asp?Id_Pagina=25
http://www.artesmedicas.com/craniossinostose.htm
http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0100-39842005000500013&script=sci_arttext
http://www.neurocirurgia.me/Neurocirurgia/Craniossinostose.html
http://pt.wikipedia.org/wiki/Craniossinostose

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.