Junho Lilás: Mês de Conscientização do Teste do Pezinho

Médico e biólogo especializado em triagem neonatal dos Erros Inatos da Imunidade por meio do

teste do pezinho fazem alerta para a importância do exame

O conjunto de cores atreladas aos meses do ano já pode ser considerado bastante popular na sociedade. Junho é reconhecido por algumas cores, como o vermelho, quanto à importância da doação de sangue, e o laranja, voltado para a conscientização sobre a anemia e leucemia. No entanto, o mês também possui outra cor de destaque: o lilás, que está relacionado à conscientização do teste do pezinho.

Até maio de 2021, o teste do pezinho englobava apenas seis doenças, mas desde então, o Sistema Único de Saúde (SUS) vem implementado o Teste do Pezinho Ampliado. O Projeto de Lei, sancionado pelo Governo Federal, ampliou o número de doenças rastreadas para 50. Desta forma, será possível reduzir significativamente a mortalidade, sequelas, sofrimento e custo social, causadas por doenças congênitas graves.

De acordo com Antonio Condino-Neto, Presidente do Departamento de Imunologia da Sociedade Brasileira de Pediatria e Coordenador do Laboratório de Imunologia Humana do ICB-USP, o objetivo do Junho Lilás é conscientizar a população sobre a importância do teste do pezinho, destacando a relevância do teste para a prevenção e o diagnóstico precoce de doenças raras.

Condino-Neto, que também é sócio-fundador da Immunogenic , primeiro laboratório especializado em triagem neonatal dos Erros Inatos da Imunidade por meio do teste do pezinho, explica que o exame é feito em crianças recém-nascidas e realizado a partir das gotas de sangue coletadas do calcanhar do bebê. “O teste do pezinho permite identificar doenças graves assintomáticas ao nascimento e que podem causar sérios danos à saúde, caso não sejam diagnosticadas e tratadas precocemente”, ressalta.

Durante o mês de junho, várias instituições realizarão campanhas de conscientização, como o Instituto Jô Clemente (IJC), antiga Apae de São Paulo, que em parceria com a Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo (SMS/SP), Sociedade Brasileira de Triagem Neonatal Erros Inatos do Metabolismo (SBTEIM) e União Nacional dos Serviços de Referência em Triagem Neonatal (Unisert), promove a 6ª edição da campanha Junho Lilás, com a hashtag #testedopezinhoparatodos.
 

Segundo Edgar Borges de Oliveira Junior, também sócio-fundador da Immunogenic, as campanhas mês a mês são de extrema relevância social para ajudar a conscientizar as pessoas sobre a importância dos cuidados com a saúde e ter como prioridade a qualidade de vida, também fazendo um alerta sobre o perigo de determinadas doenças que não são tão debatidas, como a imunodeficiência primária.

Por essa razão, Oliveira reforça que o teste do pezinho deve ser realizado entre o 3º e 5º dia após o nascimento, pois as primeiras horas de vida de um recém-nascido são determinantes para a possível descoberta de enfermidades, especialmente, doenças relacionadas à imunodeficiência primária. “O movimento do Junho Lilás é necessário, porque procura mostrar para a população que a triagem neonatal dos Erros Inatos da Imunidade por meio do teste do pezinho é importante para os recém-nascidos e deve sempre ser priorizada”, finaliza o médico.

Até maio de 2021, o teste do pezinho englobava apenas seis doenças, mas desde então, o Sistema Único de Saúde (SUS) vem implementado o Teste do Pezinho Ampliado. O Projeto de Lei, sancionado pelo Governo Federal, ampliou o número de doenças rastreadas para 50. Desta forma, será possível reduzir significativamente a mortalidade, sequelas, sofrimento e custo social, causadas por doenças congênitas graves.

De acordo com Antonio Condino-Neto, Presidente do Departamento de Imunologia da Sociedade Brasileira de Pediatria e Coordenador do Laboratório de Imunologia Humana do ICB-USP, o objetivo do Junho Lilás é conscientizar a população sobre a importância do teste do pezinho, destacando a relevância do teste para a prevenção e o diagnóstico precoce de doenças raras.
 

Condino-Neto, que também é sócio-fundador da Immunogenic , primeiro laboratório especializado em triagem neonatal dos Erros Inatos da Imunidade por meio do teste do pezinho, explica que o exame é feito em crianças recém-nascidas e realizado a partir das gotas de sangue coletadas do calcanhar do bebê. “O teste do pezinho permite identificar doenças graves assintomáticas ao nascimento e que podem causar sérios danos à saúde, caso não sejam diagnosticadas e tratadas precocemente”, ressalta.

Durante o mês de junho, várias instituições realizarão campanhas de conscientização, como o Instituto Jô Clemente (IJC), antiga Apae de São Paulo, que em parceria com a Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo (SMS/SP), Sociedade Brasileira de Triagem Neonatal Erros Inatos do Metabolismo (SBTEIM) e União Nacional dos Serviços de Referência em Triagem Neonatal (Unisert), promove a 6ª edição da campanha Junho Lilás, com a hashtag #testedopezinhoparatodos.
 

Segundo Edgar Borges de Oliveira Junior, também sócio-fundador da Immunogenic, as campanhas mês a mês são de extrema relevância social para ajudar a conscientizar as pessoas sobre a importância dos cuidados com a saúde e ter como prioridade a qualidade de vida, também fazendo um alerta sobre o perigo de determinadas doenças que não são tão debatidas, como a imunodeficiência primária.

Por essa razão, Oliveira reforça que o teste do pezinho deve ser realizado entre o 3º e 5º dia após o nascimento, pois as primeiras horas de vida de um recém-nascido são determinantes para a possível descoberta de enfermidades, especialmente, doenças relacionadas à imunodeficiência primária. “O movimento do Junho Lilás é necessário, porque procura mostrar para a população que a triagem neonatal dos Erros Inatos da Imunidade por meio do teste do pezinho é importante para os recém-nascidos e deve sempre ser priorizada”, finaliza o médico.

Autoria: a Immunogenic  é o primeiro laboratório especializado em triagem neonatal dos Erros Inatos da Imunidade por meio do teste do pezinho. A empresa é resultado do processo de spin-off do Laboratório de Imunologia Humana do Instituto de Ciências Biomédicas (ICB) da Universidade de São Paulo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.