Merenda saudável: nutricionista dá dicas de lanches para o retorno às escolinhas

Saiba como caprichar no lanche dos pequenos, seguindo dicas de especialista

A pandemia de Covid-19 trouxe significativo impacto no contexto educacional e muitos alunos, desde os mais novos, precisaram se adaptar ao novo cenário, com aulas virtuais e longe de seus coleguinhas de classe. Esse impacto foi ainda maior para os pais, que precisaram reintegrar hábitos para auxiliar no dia a dia com os pequenos em casa. Atualmente, muitas escolas reabriram as portas, mas muitos responsáveis precisaram reajustar rotinas para o preparo do lanche de seus filhos. Afinal, a pandemia impacta no alimento que devo colocar nas lancheiras?

De acordo com Cintya Bassi Souza, coordenadora dos Serviços de Nutrição e Dietética do Grupo São Cristóvão Saúde, o ideal é enviar os alimentos higienizados de casa. “Na escola, mais importante do que higienizar os alimentos, é higienizar as mãos, com água e sabão antes das refeições, o que deve ser ensinado para a criança desde cedo, para que se torne um hábito fora de casa também”, diz Cintya.

O envio de lanches saudáveis para seus filhos requer planejamento, pois quando separados de última hora, certamente a opção mais simples é adicionar itens rápidos e já prontos para consumo, como biscoitos recheados, salgadinhos, guloseimas em excesso e refrigerantes, o que não é aconselhado. “Alimentos condimentados e com muito aromatizante também devem ser evitados, especialmente no calor, porque o sabor e o cheiro podem se intensificar ao longo do dia e desfavorecer o consumo”, ressalta a nutricionista. Se a lancheira não é térmica, alimentos que precisam de temperatura, como alguns queijos e iogurtes, também podem sofrer alterações e nesses casos, não é indicado consumo.

“A criança apresenta tendência a rejeitar os alimentos que são pouco oferecidos, por isso a importância de variar a oferta e a maneira de preparo dos alimentos. Os hábitos saudáveis são uma extensão do que ocorre em casa, porque a criança não vai querer comer fruta na escola se em casa isso não é estimulado”, pondera a especialista. Dessa forma, a principal sugestão é variar os alimentos, para evitar monotonia na dieta e acompanhar a aceitação das crianças aos alimentos enviados., além disso, três grupos de alimentos devem fazer parte de uma alimentação completa, os construtores, os reguladores e os energéticos.

Entre os reguladores, estão as frutas, verduras e legumes, que devem ser diversificados e em alguns casos já enviadas picadas para a criança, não esquecendo de opções como as frutas secas e oleaginosas, como castanhas e nozes e vegetais como tomate cereja, cenoura baby e milho. Entre os energéticos, pães e biscoitos integrais são as melhores opções, assim como tapioca, pão de queijo, cereais sem açúcar e bolos caseiros simples. Já para os construtores, caso haja controle de temperatura ou a possibilidade de mantê-los refrigerados, as opções são iogurtes, queijos magros, leite fermentado, requeijão, patê de atum ou frango.

Para quem deseja variar no cardápio ou ter uma nova opção de preparo, uma receita simples, para preparar deliciosos biscoitinhos integrais.

Ingredientes:

  • 2 ½ xícara de farinha de trigo integral
  • 2 ovos
  • 200 g de margarina em tablete
  • 2 colheres (chá) de bicarbonato
  • 1 colher (chá) de baunilha
  • 1 colher (chá) de fermento
  • 1 xícara de açúcar
  • 1 xícara de açúcar mascavo
  • 20 g de chocolate meio amargo

Preparo: Misture todos os ingredientes secos, exceto o chocolate. Coloque os ovos e por fim acrescente delicadamente o chocolate. Unte uma forma com margarina e farinha. Coloque os cookies, em colheradas e leve ao forno pré-aquecido a 150°C. Retire quando estiverem dourados. Espere esfriar e desenforme com auxílio de um garfo.

Cintya Bassi Souza

Coordenadora dos Serviços de Nutrição e Dietética do Grupo São Cristóvão Saúde

Veja o perfil completo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *