Por Que Devemos Acolher Crianças Extrovertidas?

Especialistas falam sobre os impactos da repressão infantil que refletem na vida adulta e apontam fatores que são primordiais na construção da individualidade

Impulsivos, mal criados, difíceis de lidar. Certamente quem foi ou conhece uma criança com traços extrovertidos predominantes, já ouviu alguma dessas características sendo atribuída a elas. Tal comportamento dificilmente aceito pela sociedade, acaba deixando marcas que refletem na vida adulta, devido à repressão ou até mesmo a rejeição sofridas durante a infância.
 

“Essa visão já é tida há muitas gerações atrás, geralmente crianças mais comunicativas, com instintos artísticos aguçados, desinibidas e com as emoções intensas, eram vistas de forma hostil. Sua conduta que fugia do padrão esperado, principalmente por pais e professores, por vezes era punida, o que resultava em dor, vergonha e culpa, criando um muro entre elas e suas figuras de autoridade’’, diz Fernando Machado, psicólogo do Hospital Anchieta de Brasília.

Segundo a pesquisa “A pedagogia do afeto e sua influência no desenvolvimento das crianças na educação infantil”, publicada em 2021 pelo CONEDU (Congresso Nacional de Educação), muitas crianças sentiram o impacto de uma educação afetiva e tiveram seu aprendizado impulsionado ao ganharem um local de fala, além de desenvolverem melhor seu raciocínio lógico e entenderem como acontece as interações sociais que as envolvem.

 

E quais são os impactos disso na vida adulta? Viver no mundo atual já é uma coisa difícil para muitas pessoas, lidar com toda a pressão psicológica da contemporaneidade têm sido cada vez mais desafiador, agora para quem cresceu sendo exageradamente controlado, esse cenário pode ser ainda pior, por envolver diversas questões de autoconfiança, ansiedade, depressão e afins.
 

Fernando explica que é preciso impor limites a essas crianças, mas sempre prestando atenção às suas individualidades e a sua integridade, preservando-as. “É preciso, ainda, acolhê-la, pois isso trará um sentimento de pertencimento e o apoio fazendo com que elas se sintam conectadas e confiantes em expressar sua essência”, pontua. O psicólogo ainda aponta que “a construção de uma pessoa perante a sociedade está associada às punições sofridas durante a infância”, ressaltando a importância de se ter cuidado ao colocar limites, pois a criança pode se tornar um adulto com dificuldade de exteriorização, não expressando seu verdadeiro eu e suas reais vontades.
 

Quais os impactos dessa personalidade no ambiente escolar?
 

Uma criança extrovertida natural pode ter inúmeros benefícios no ambiente escolar. Elas podem se destacar pela sua capacidade de se enturmar, liderar e falar em público. As pessoas que absorvem sua energia do exterior, tendem a adquirir multi-habilidades por estar em contato com um ambiente geralmente criativo e diverso.

 

“Nós viemos de um sistema educacional em que, por vezes, aquele aluno do fundão que comandava a bagunça, conversava com todo mundo e tinha uma lábia persuasiva era visto como o aluno ruim da turma. Mas com o passar dos anos, passamos a observar e estudar os diferentes tipos de comportamento entre os estudantes, e vimos o grande potencial comunicativo, empreendedor e sociável que estavam presentes nos traços desses alunos. É claro que precisamos agir com ética e respeito, mas tratar cada um com sua individualidade é indispensável“, lembra Valéria Siqueira, coordenadora do Colégio Objetivo DF na unidade de Ceilândia.


Autores:

Fernando Machado, psicólogo do Hospital Anchieta de Brasília.

Valéria Siqueira, coordenadora do Colégio Objetivo DF

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.