Cuidados com Saúde Oral na Gestação Devem ser Redobrados

Fatores comuns da gravidez, como alimentação rica em açúcar, enjoo e vômito frequentes, podem tornar dentes e gengivas mais suscetíveis a doenças orais.

A gestação é um período que exige da mulher uma série de cuidados específicos com sua saúde. E com a cavidade oral não é diferente, pois alguns fatores comuns desse período podem favorecer o surgimento de cáries e problemas gengivais. “Muitas pessoas acreditam que essa maior suscetibilidade às doenças orais na gravidez se deve ao fato de os dentes das mulheres ficarem mais fracos durante esse período, mas isso é um grande mito, pois, ao contrário do que muitos pensam, os dentes da mãe não perdem minerais como cálcio e fosfato para formação dos ossos e dentes do bebê”, explica o Dr. Hugo Lewgoy, cirurgião-dentista e doutor pela USP. “O que acontece é que as gestantes tendem a consumir alimentos açucarados com maior frequência e quantidade, não apenas pela maior necessidade calórica desse momento, mas também pelos ‘desejos’ comuns nesse período. Além disso, a constituição da saliva e a vascularização gengival também sofrem alterações na gravidez. Esse conjunto de fatores favorece o acúmulo de placa bacteriana, que é o grande responsável pelo surgimento de doenças orais”, diz o especialista, que ainda afirma que os vômitos constantes da gravidez também podem prejudicar a saúde oral. “A saliva eleva constantemente o pH oral para proteger os dentes das desmineralizações, no entanto, os vômitos constantes tornam o pH da região ácido por um tempo prolongado, pois, a saliva leva entre 30 minutos a 2 horas para conseguir neutralizar o pH ácido. Essas condições favorecem o surgimento de desmineralizações, manchas brancas e cáries”, destaca o Dr Hugo.

E o pior é que, por sentirem náuseas no momento da escovação, muitas gestantes deixam de realizar a higiene oral adequada, piorando ainda mais o quadro. “É comum ouvir as gestantes reclamarem do enjoo causado pelo uso do creme dental, principalmente porque muitos desses produtos geram uma grande quantidade de espuma. Nesses casos, uma boa opção é optar por cremes dentais livres de Sodium Laryl Sulphate (SLS), que é o responsável pela formação de espuma. O ideal que não essa substância em sua composição e ainda traga enzimas lácteas que potencializam a ação protetora da saliva”, aconselha o Dr. Hugo, que ressalta que, apesar do creme dental facilitar a escovação e ajudar na prevenção de cáries por conter flúor, a verdadeira responsável pela desorganização da placa bacteriana é a escova dental. “Então, caso a gestante sinta muito enjoo por causa do creme dental, é perfeitamente possível deixar de usar o produto durante esse período sem prejudicar a saúde oral desde que a escovação seja realizada com a técnica correta e com uma escova dental adequada”, destaca. O especialista explica que a escovação deve ser feita com a escova posicionada em um ângulo de 45º, com metade das cerdas sobre as gengivas e a outra metade sobre o dente que está sendo higienizado. Os movimentos devem ser circulares, rápidos e sem força ou pressão, passando a escova dente a dente de maneira sequencial. “Com relação à escova, é importante que contenha cerdas macias, já que cerdas duras podem favorecer a retração gengival e a abrasão dental (desgaste). Uma escova com grande quantidade de cerdas é o que aumenta a eficácia da escovação, salienta o especialista. É o caso da escova com fibra mais fina e macia capaz de desorganizar a placa bacteriana sem prejudicar dentes e gengivas”, recomenda o Dr Hugo. Durante a gravidez, para potencializar a higiene oral, é interessante ainda fazer uso de um enxaguatório oral. “O enxaguatório oral reduz o risco de cárie dental, gengivites, mucosites e peri-implantites, o que o torna ideal para garantir manutenção prolongada da saúde oral, pois oferece proteção superior contra essas doenças orais”.

Além das cáries e doenças gengivais, outro problema que pode surgir na gravidez é a halitose, tanto pelo vômito constante, quanto pela falta de higienização da língua. “Muitas pessoas têm dificuldade de higienizar a língua pelo fato da textura e altura das cerdas das escovas convencionais gerarem ânsia de vômito quando utilizadas no terço posterior da língua, próximo a garganta, que é a região de maior acúmulo da saburra lingual, placa branca responsável pelo mau hálito. E nas grávidas, que já estão com o reflexo do vômito sensibilizado, esse hábito torna-se ainda mais complicado”, explica o cirurgião-dentista. “Para evitar a ânsia e garantir uma higiene eficaz, o ideal é utilizar produtos específicos para essa finalidade. Existem escovas, que possuem perfil baixo e design circular para evitar a ânsia e os desconfortos e cerdas mais firmes para desalojar a saburra das fissuras e irregularidades da língua. É possível também fazer uso de Gel, que tem ação refrescante e substâncias ativas que inibem a formação de gases de odor desagradável.”

Por fim, é importante que as gestantes realizem consultas regulares ao cirurgião-dentista para acompanhar a situação da saúde oral e identificar e tratar qualquer alteração precocemente de forma a prevenir complicações. “Em casos avançados, de problemas gengivais como, por exemplo, periodontites, pode ocorrer até a liberação de substâncias pró-inflamatórias no organismo que podem levar até mesmo ao parto prematuro. Logo, além do acompanhamento médico especializado com um obstetra, é indispensável que a gestante visite o cirurgião-dentista a cada dois ou, no máximo, três meses para receber as orientações adequadas”, finaliza o Dr. Hugo Lewgoy.

Fonte:

Dr. Hugo Lewgoy, cirurgião-dentista e doutor pela USP

CURAPROX

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.