Introdução Alimentar para Crianças: 06 Dicas de como Fazer com Cuidado

Essa fase é primordial para o desenvolvimento infantil e para estimular bons hábitos alimentares por toda a vida

A partir do sexto mês de vida, os bebês começam a dar sinais de que estão prontos para experimentar outros sabores, complementando o leite materno ou fórmula. Neste momento, é preciso se preparar para a introdução alimentar da criança.

Todos os nutrientes que o bebê necessita para se desenvolver são fornecidos pelo leite materno ou pela fórmula indicada pelo pediatra até os seis meses de idade. É só depois dessa fase que o organismo da maioria das crianças já  está pronto para ingerir e digerir novos alimentos.

É a partir dessa faixa etária, ainda, que o bebê tem condições de sustentar o pescoço e o tronco, sentar-se sem apoio, reduz o reflexo de protrusão de língua, começa a fazer movimentos de mastigação com a língua e a boca e já demonstra interesse na refeição dos pais e em colocar objetos na boca. 

Se este momento chegou ou está se aproximando, os pais e cuidadores devem saber como agir, sempre levando em consideração que não existem regras para a introdução alimentar e que cada criança terá uma adaptação diferente às suas primeiras refeições. 

Preparando o terreno 

Dias antes de oferecer o primeiro alimento à criança, os responsáveis podem ajudá-la a compreender as mudanças que acontecerão em sua vida a partir de agora. 

Colocar o bebê no cadeirão para observar as refeições em família e se acostumar com o local, conversar com o pequeno enquanto o amamenta e usar livros infantis que contam histórias sobre este momento ou sobre os alimentos são de grande valia. 

Os quatro grupos alimentares

A alimentação deve ser variada, e a introdução alimentar é essencial para estimular o paladar para toda a vida. 

No início da vida, as crianças devem ter acesso a alimentos provenientes da natureza dos quatro grupos alimentares. São eles: hortaliças e frutas (abobrinha, berinjela, couve, banana, maçã, mamão, etc), carnes e ovos, cereais e tubérculos (arroz, milho, batata, etc), e grãos (ervilha, lentilha, etc). 

Ao longo das refeições, novos alimentos devem ser apresentados. Se a criança comeu uma banana no almoço, à noite, outra fruta deve ser oferecida. Além disso, se houver rejeição, é importante que o mesmo alimento seja oferecido novamente – cerca de cinco a oito vezes. 

Além disso, as crianças devem continuar sendo amamentadas ou ingerindo fórmula e, nessa idade, já podem tomar água. 

Passe longe

Por outro lado, ao menos até os 2 anos de idade, é preciso evitar oferecer frituras, enlatados, salsicha, refrigerantes, café, salgadinhos, balas, açúcar, alimentos congelados, processados e similares, com o objetivo de criar bons hábitos alimentares desde cedo. 

É importante usar temperos com moderação, em especial o sal. Outros tipos de tempero, como um pouco de salsinha e cebolinha, são prioridade.

Xô papinha

As papinhas “de antigamente”, nas quais diversos alimentos, como legumes e carnes, eram processados no liquidificador e passavam por uma peneira antes de serem ofertados à criança, estão em desuso. 

A atual recomendação é que a comida não tenha consistência muito fina e que os grupos alimentares (hortaliças e frutas, carnes e ovos, cereais e tubérculos e grãos) não se misturem para que os pequenos aprendam a mastigar e criem consciência das texturas e sabores.

Ao invés disso…

Existem diversos métodos de introdução alimentar em substituição à ultrapassada papinha. 

É o caso do BLW (baby-led weaning), que quer dizer desmame guiado pelo bebê. Nele, a criança se alimenta com pequenos pedaços de alimentos escolhidos de acordo com seu próprio interesse. 

A abordagem participativa é bastante similar: os alimentos são oferecidos em sua forma sólida, cortados em forma de tiras e bastões específicos. As crianças usam as próprias mãos para explorar e ingerir a refeição, 

Já a alimentação assistida é a que mais se assemelha à papinha, na qual os adultos controlam a refeição, usando colher e copo para oferecer os alimentos. A diferença é que a textura do alimento é apenas amassada, jamais batida e coada. 

A literatura infantil também pode ser uma importante aliada neste momento. Os livros proporcionarão uma abordagem divertida e instigante para que a criança conheça outros alimentos e aceite experimentar coisas novas. 

Conte com um Club do Livro Infantil com curadoria especializada para ajudar nesse processo de descoberta alimentar.

Conte com o pediatra

O pediatra sempre deve ser consultado antes e durante o processo de introdução alimentar do bebê – que pode levar até um ano. 

Para a Organização Mundial da Saúde (OMS), o Ministério da Saúde e a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), entre outras organizações, a introdução alimentar deve começar no sexto mês de vida do bebê, mas se a criança nasceu prematura ou tiver algum problema de saúde, a avaliação do pediatra é determinante.  O profissional também poderá auxiliar com a orientação nutricional para bebês acima ou abaixo do peso, a fim de que a alimentação auxilie no desenvolvimento saudável da criança.

O profissional também poderá auxiliar com a orientação nutricional para bebês acima ou abaixo do peso, a fim de que a alimentação auxilie no desenvolvimento saudável da criança. 

Clube Quindim

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.